segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Todas as dores do mundo

Quando cheguei a encontrei com o rosto deformando, de tanto chorar. Os olhos encharcados e vermelhos, com lágrimas de sangue, pediam socorro, como um náufrago em alto-mar.

A madrugada muda, acostumada a só ouvir, passou a chorar também, bem caladinha, compartilhando a dor e angústia com Ela. Não era a primeira vez, mas tinha ânsia que fosse a última. Não suportaria mais outros travesseiros encharcados.

Ela não dizia nada. Só o corpo que lentamente ia perdendo força, até cair no sono. Enquanto Ela dormia, passei a chorar também, pensando no tanto de mágoa que a pequena carregava.

Dores suas, alheias, passadas e futuras. Todas as dores do mundo estavam lá, mesmo com aquele sorriso branco, preenchido de esperança.

4 comentários:

Salve Jorge disse...

Em todas as dores
Do mundo
Tantas cores
Tal qual dissabores
Tornando tudo um tanto mais profundo
Bantendo fundo
Desconcertando os atores
A atriz
Se nao era o que quis
Sabe do bis
Que o show tem de continuar...

Gust disse...

Não vale a pena chorar tanto.

Maria Laura disse...

mah!!!
1°: você sumiu! monografando? trabalhando muito?
2°: aderi ao mundo dos blogs!
dê uma olhada no meu depois, vou adorar saber o q achou
beijao!

Srta. Clichê! disse...

Sorriso branco, peito marrom, vista escura!